Siga o OP nas redes

Economia

Exportações têxteis e de vestuário caíram 10% em janeiro

Publicado

em

De acordo com os dados hoje divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), o ano de 2021 começa com uma quebra de 10% nas exportações de têxteis e vestuário. Portugal exportou 410 milhões de euros, menos 46 milhões de euros do que o verificado no mês homólogo do ano anterior.

As exportações de vestuário caíram 16% (menos 46 milhões de euros), as de matérias primas têxteis caíram 5% (menos 6 milhões de euros) e as de têxteis lar e outros artigos têxteis confecionados – onde se incluem as máscaras têxteis – aumentaram 9% (com um acréscimo de 6 milhões de euros).

Em termos de mercados, destaque para as exportações para França (acréscimo de 2 milhões de euros, equivalente a mais 3%) e para a Dinamarca (mais 1,5 milhões de euros, ou seja, mais 17%).

Espanha continua a liderar a tabela dos destinos com maiores quebras: menos 30 milhões de euros (-24%).

Quanto às importações, em janeiro as importações de vestuário caíram 44% (menos 94 milhões de euros) e as de matérias têxteis também caíram 24%, “sinal que evidencia a quebra na atividade do sector que terá com certeza impacto nas exportações dos meses de fevereiro e março”, sublinha a Associação Têxtil de Portugal (ATP), hoje, em comunicado.

As importações de têxteis lar e outros artigos têxteis confecionados, máscaras têxteis incluídas, subiram 15%. No total, as importações de têxteis e vestuário caíram 33% (menos 126 milhões de euros) comparativamente com janeiro de 2020.

A Turquia lidera a tabela das origens que registaram maior acréscimo, no caso, mais 1,8 milhões de euros, ou seja, +17%. Espanha foi a origem que mais caiu, com menos 53 milhões de euros importados, ou seja -40%.

ATP estima destruição de 5.000 postos de trabalho

Relativamente ao ano de 2020 e com base na evolução dos índices de atividade, a ATP estimou uma destruição de emprego de cerca de 5000 postos de trabalhos (equivalente a uma quebra de 4%), uma diminuição de 18% (menos 1,3 mil milhões de euros) na produção e de 14% (menos 1,1 mil milhões de euros) no volume de negócios do setor.

PARTILHE ESTE ARTIGO:

FAMA TV

FAMA RÁDIO

ARTIGOS RECENTES

ARQUIVO

OP NAS REDES